Se lembra dele? MySpace, outrora uma das maiores redes sociais do mundo, hoje está viva mas esquecida - Tecno Explore

Novidades

Home Top Ad

Post Top Ad

Microsoft

13 de outubro de 2017

Se lembra dele? MySpace, outrora uma das maiores redes sociais do mundo, hoje está viva mas esquecida


A nossa série "Os Esquecidos" está de volta para um capítulo especial. Como você viu em todas as matérias anteriores, a intenção dessa série de postagens é mostrar o destino de produtos e serviços que antes receberam toda a atenção das empresas que as criaram mas no fim acabaram esquecidas ou abandonadas.

Hoje temos o MySpace, rede social criada por Tom Anderson em 2003 mas vendida pelo mesmo quase dois anos após o seu início por US$580 milhões. Enquanto o seu fundador hoje curte uma vida agradável tirando fotos pelo mundo, a rede social foi, aos poucos, perdendo o seu prestígio e o número de usuários para o Facebook.

Esses indícios de fracasso começaram a surgir mais fortemente sete anos depois da venda da rede social, em 2011. Nesses anos tendo a News Corporation como dona, a rede social vinha vendo o seu grande rival, o Facebook crescendo a números impressionantes, principalmente depois de abolir a necessidade de convites e conseguir alcançar 800 milhões de usuários já naquele ano.

O início do declínio
Como constata uma matéria feita pelo Estadão em 2011, o MySpace era uma festa muito popular no início dos anos 2000 que ficou sem graça. A mudança da sede de Santa Monica que tinha toda uma estrutura de restaurantes e cafés para um antigo hospital em Beverly Hills, desestimulou funcionários que muita das vezes saíram para o almoço e voltavam apenas no dia seguinte.

Além desse clima de desânimo, uma demissão em massa de 500 dos 1.100 funcionários criou um clima de instabilidade na rede social que perder 9 milhões de usuários entre 2009 e 2011, contando com um pouco mais de 54 milhões naquele mesmo ano.

Somado a todos esses problemas, a interface da rede social era terrivelmente pesada. Como uma mudança de interface custava muito, os executivos do MySpace passaram anos adiando uma mudança estética.

A questão é : quando você se preocupa com o crescimento, e quando com o dinheiro? Nós [MySpace] nos concentramos no dinheiro, e o Facebook se concentrou em aumentar o número de usuários e na experiência dos usuários
-disse Erin Polley, na época com 29 anos e que migrou do Facebook para outra rede social
Em 2013, a esperança fracassada
Reflexo do constante declínio, Justin Timberlake com um grupo de investidores comprou a rede social por "apenas" US$ 35 milhões, muito menos do que dos US$ 580 milhões pagos pela News Corporation em 2005. No mesmo ano, o MySpace só contava com 35 milhões de usuários por mês, enquanto o Facebook conseguiu 157 milhões.

Como a proposta ousada de reviver a rede social havia fracassado mesmo com um astro pop apoiando a ideia, em 2016 a Time Incorporation comprou a Viant, empresa que até então detinha a rede social de música. A ideia da Time é usar a base de dados das centenas de milhões de contas do MySpace para registrar mais dados e melhorar a sua tecnologia de anúncios. Ou seja, o MySpace só terá seus dados usados, mas investimentos novos da rede social parecem longe dos planos do conglomerado de mídia.

No mesmo ano a rede social também foi alvo de um ataque hacker que obteve e divulgou informações informações pessoais da rede social, o que expôs 360 milhões de contas.

Nem mesmo o 'comeback' do astro pop Justin Timberlake conseguiu reviver rede social

MySpace não soube se reinventar
Você hoje ainda pode entrar no MySpace.com e encontrar conteúdos atuais. Ao contrário do que se podia ver nos seus primórdios, hoje o site do MySpace mostra conteúdo também relacionado a entretenimento e tem um player de música para escutar os sucessos disponíveis na plataforma.

Mas, essas tentativas de reinvenção e adição de novas informações estão longe de reparar o estrago feito com a rede social ainda nos tempos em que as pessoas se importavam com ela. Como dito por Erin Polley, o MySpace deveria ter se reinventado junto com o Facebook e talvez até mesmo expandido para algo além de uma rede social para músicos e ouvintes e se tornado algo tão grande quanto o Facebook.

O Facebook conseguiu agregar todos os profissionais e usuários comuns do MySpace pelo simples fato de conseguiu ter ferramentas que ajudam os artistas na divulgação do seu trabalho - como as páginas e grupos -, e também ser uma rede social que é útil para uma dezena de necessidades diferentes.

O MySpace é mais um exemplo de até onde a ganância e a falta de planejamento podem chegar. Feliz foi Tom Anderson, fundador do MySpace, que vendeu a empresa por US$580 milhões em seu auge e hoje desfruta de toda a estabilidade que esse dinheiro trouxe.

Fontes: G1TecmundoRevista GalileuLikedin e IDGNow