WhatsApp afirma que está criando formas de minimizar fake news na plataforma, mas admite dificuldades - Tecno Explore

Novidades

Home Top Ad

Post Top Ad

Microsoft

21 de agosto de 2017

WhatsApp afirma que está criando formas de minimizar fake news na plataforma, mas admite dificuldades


A disseminação de fake news é um dos maiores problemas enfrentados hoje pelos principais meios de comunicação do mundo. Vários são os casos no qual a divulgação de notícias que não correspondem com a realidade prejudicaram pessoas e empresas, sendo assim o Facebook anunciou esse ano um combate mais intenso às notícias falsas e, sengundo o The Economic Times, o WhatsApp vai aderir ao movimento.

Essa informação foi dada por Alan Kao, engenheiro de software da empresa, mas, segundo o próprio, a fiscalização das fake news é algo muito difícil de ser feito devido a criptografia ponta a ponta que permite apenas ao que envia e o que recebe ler o conteúdo das mensagens.

Nós não queremos ver fake news em nossa plataforma e é um problema complexo em determinar o que é fake news e o que não é. Por causa da criptografia, nós não podemos ler o conteúdo das mensagens
- explica Kao

Mesmo assim, a empresa responsável pelo WhatsApp, o Facebook está procurando formas de tentar minimizar as fake news. Uma das medidas que ja tem sido tomadas é a conscientização dos usuários para que eles não espalhem as notícias antes de checarem as fontes.

Apesar disso, o combate às notícias falsas é algo que vai quebrar, e muito a cabeça dos engenheiros de ambas empresas já que, segundo o WhatsApp, quando a mensagem é enviada, ela é encriptografada e armazenada nos servidores e, quando o outro usuário recebe e faz a leitura, ela é apagada, o que impossibilita sua fiscalização.

Apesar de sempre negar qualquer tipo de compartilhamento entre o WhatsApp e o Facebook, na Índia foi feita uma petição entregue na Suprema Corte que denuncia que o conteúdo das mensagens foi coletado e compartilhado com fins comerciais.

O governo central diz que os dados dos usuários são integrantes do Direito a Vida e a Liberdade Pessoal garantido pela constituição e que seriam elaborados argumentos a fim de proteger ambos os direitos. A decisão final do caso será tomada em setembro.

Essa é uma questão que, como o próprio WhatsApp admite, é complicado devido ao próprio mecanismo para proteger os usuários que, ao que parece, vem trazendo mais problemas do que o esperado.