Seria a propaganda embutida o futuro dos smartphones mais baratos? - Tecno Explore

Novidades

Home Top Ad

Post Top Ad

Microsoft

9 de agosto de 2019

Seria a propaganda embutida o futuro dos smartphones mais baratos?


Em 2016 a Amazon lançou uma tendência que tinha a expectativa de se espalhar pelo mundo do smartphones. A ideia era simples: aparelhos passariam a ser vendidos por um preço menor mas o usuário teria que aturar propagandas obrigatórias na própria tela de bloqueio. A ideia da Amazon não parecia vingar no início mas a Xiaomi e Huawei estão se aproveitando de parte desse conceito.

Na época um assinante do serviço Prime da Amazon poderia comprar um Moto G que custava US$200 por US$125, o que significava 37,5% de desconto. Para evitar que o anúncio fosse retirado facilmente, os aparelhos contavam com a customização da empresa. Se você não recebia nenhuma notificação, o anúncio poderia ocupar a tela de bloqueio inteira.

Nunca mais a Amazon comentou sobre a ideia e ela parecia ter caído no vale do esquecimento junto com o Amazon FirePhone. Até que em 2018 a Xiaomi reviveu a polêmica quando admitiu que colava anúncios nos seus aparelhos para  vender eles por um preço reduzido. A medida, segundo a empresa, afeta apenas aparelhos na China e Índia. Os anúncios exibidos na MIUI são muito mais invasivos já que podem aparecer desde o menu do app de música até as configurações do aparelho.

Em junho de 2019 a Huawei também se envolveu com outra polêmica do tipo. Alguns usuários de aparelhos da companhia relataram que os wallpapers de fábrica usados como papel de parede passaram a exibir anúncios do booking.com, o que nunca foi admitido oficialmente pela empresa.

O grande problema de ter anúncios nos smartphones é a falta de aviso para os usuários. É necessário que seja colocado uma mensagem seja na caixa do aparelho ou no momento da compra para que o consumidor esteja ciente do que está comprando. Uma outra alternativa seria parar com essa prática, no entanto, com os preços agressivos praticados pelas chinesas, não é difícil arriscar que outras empresas também adotem essa estratégia.

Fontes: The VergeOlhar Digital e Tecmundo

Nenhum comentário:

Postar um comentário