Microsoft e a sua reestruturação - Tecno Explore

Novidades

Home Top Ad

Post Top Ad

Microsoft

5 de junho de 2013

Microsoft e a sua reestruturação

Nos últimos dias surgiram rumores de que a Microsoft dividirá a companhia em 4 grandes setores.  Estas mudanças são muito importantes para a companhia conseguir agilizar as suas decisões, eu achei isso muito interessante e resolvi fazer esse texto de como na minha opinião isso pode beneficiar a Microsoft.

Decisões mais rápidas e ágeis.
No mundo dos negócios e da tecnologia é muito importante que as empresas tomem decisões rápidas para que não se tenha prejuízos.

Vamos a mais uma situação hipotética: imaginemos que um dia a Apple lance um aparelho revolucionário e que esta chamando muito a atenção e que consequentemente acabe inaugurando um novo ramo no meio tecnológico (assim como os smartphones, tablets, PCs, consoles etc..). É claro que as outras empresas terão que se mexer para fazer um aparelho para concorrer com esse novo produto. Com a nova reestruturação da Microsoft, a empresa pode tomar decisões muito mais ágeis e lançar rapidamente um produto competente que vai rivalizar com esse dispositivo.

Muito mais organizado
Segundo o que foi publicado pelo vNext a partir de agora a empresa será divida em 4 grandes setores: provavelmente o Azure (serviços corporativos), Xbox ( entretenimento), Devices (hardware a dispositivos) e Windows (Windows e Windows Phone).

Vendo essa divisão percebe-se que agora ficou tudo muito mais clara e perceptível em relação à organização da empresa. Se antes tínhamos vários setores separados, agora temos 4 grandes grupos muito bem organizados e que mostram o nível de organização que Steve Ballmer quer para a Microsoft.

Não posso esquecer se mencionar, é claro, da mudança de foco da companhia que quer deixar de ser apenas uma empresa de software para ser uma empresa de dispositivos e serviços. É claro que essa atitude é muito bem vinda e mostra que a Microsoft quer expandir o mercado e alcançar novos setores e serviços.

Agora só nos resta esperar e ver o quanto isso pode impactar e beneficiar os consumidores.



Nenhum comentário:

Postar um comentário